sábado, 8 de agosto de 2009

Nona Dose: Um Deus Vingador

Para entender totalmente esta reflexão, favor ler antes:

1. Em Doses Homeopáticas: O fim do mundo e o mundo sem fim
2. Segunda Dose: As perguntas que não querem calar
3. Terceira Dose: O primeiro sinal – Falsos cristos
4. Quarta Dose: Guerras, rumores, fomes, pestes e terremotos
5. Quinta Dose: Perseguição da Igreja
6. Sexta Dose: Jerusalém cercada de exércitos
7. Sétima Dose: Fugindo de uma Grande Tribulação Local
8. Oitava Dose: Dias abreviados

----

Mateus 24
29. E, logo depois da aflição daqueles dias, o sol escurecerá, e a lua não dará a sua luz, e as estrelas cairão do céu, e as potências dos céus serão abaladas.

Marcos 13
24. Ora, naqueles dias, depois daquela aflição, o sol se escurecerá, e a lua não dará a sua luz.
25. E as estrelas cairão do céu, e as forças que estão nos céus serão abaladas.

Lucas 21
24. E cairão ao fio da espada, e para todas as nações serão levados cativos; e Jerusalém será pisada pelos gentios, até que os tempos dos gentios se completem.
25. E haverá sinais no sol e na lua e nas estrelas; e na terra angústia das nações, em perplexidade pelo bramido do mar e das ondas.
26. Homens desmaiando de terror, na expectação das coisas que sobrevirão ao mundo; porquanto as virtudes do céu serão abaladas.

Considerações:

----

Esta reflexão em específico, não é recomendada para irmãos que entendem que Deus é somente amoroso, e que todas as questões do mal são fruto do trabalho autônomo de Satanás.

Estes irmãos (e eu conheço muitos deles, sinceros e piedosos) tem alguma dificuldade de interpretar textos como os abaixo, e preferem e se concentram nos textos que falam exclusivamente do amor de Deus:

“E exercerei a minha vingança sobre Edom, pela mão do meu povo de Israel; e farão em Edom segundo a minha ira e segundo o meu furor; e conhecerão a minha vingança, diz o Senhor DEUS.” Ezequiel 25.14

Ou este:
“Ó Senhor, Deus das vinganças, ó Deus das vinganças, mostra-te resplandecente.” Salmos 94.1

Ou ainda este:
“O Senhor é Deus zeloso e vingador, o Senhor é vingador e cheio de ira; o Senhor toma vingança contra os seus adversários e reserva indignação para os seus inimigos.” Naum 1.2

Mas se você não tem problemas com o texto bíblico (todo o texto bíblico) então vamos em frente... voltando ao texto profético de Jesus, vemos que ele continua nos ensinando sobre os dias de grande aflição que viriam sobre Jerusalém.

E lembro de anos, quando li Josefo pela primeira vez, que foram cenas de muita matança, primeiro de judeus matando judeus pela briga dentro da cidade por mantimentos, e para evitar a fuga dos menos valentes, depois matança por poder político de como conduzir a campanha.

Depois a matança pela fome, depois matança pela peste resultante da fome dentro da cidade cercada por romanos, depois matança de pais para comerem os filhos pequenos (Josefo, lembro vagamente relata pelo menos o caso de uma mãe que foi pega cozinhando o filho bebê para saciar a fome).

Depois matança diária dos que tentavam fugir (em média os romanos crucificavam 500 pessoas por dia que tentavam fugir da cidade – diz Josefo que todas as árvores ao redor de Jerusalém foram cortadas para fornecer madeira para as cruzes).

Finalmente matança do combate para manter a cidade, mais matança para manter a posse do Templo e quando os judeus viram o Templo em chamas, totalmente desesperados do “messias” que não vinha, da fé que ruía em todos os sentidos, começaram a matar-se uns aos outros, e uns outros se lançaram nas chamas para queimarem junto com o Templo.

O sangue era tanto nas ruas da cidade, que o pó misturado com o sangue formava uma lama sangrenta, por onde pisavam e se barreavam os soldados da infantaria romana.

Mas... tudo isto mandado por Deus?

Jerusalém já havia sido destruída por motivos semelhantes (impiedade exacerbada e incredulidade) em 586 antes de Cristo, quando da invasão da Babilônia.
E a maioria dos teólogos interpreta que Ezequiel nos primeiros capítulos do seu livro fala desta destruição.

Mas lendo Josefo sobre o ano 70, e lendo as profecias de Ezequiel, e lendo principalmente em paralelo, os textos abaixo, eu prefiro e me arrisco a dizer que apesar da semelhança de cenários, Ezequiel estava na realidade profetizando a destruição posterior de Jerusalém no ano 70, uma vez que ele já estava no exílio, e profetizava aos que estavam ao seu redor junto ao rio Quedar, na terra dos caldeus.

E isto falo pois em Ezequiel 5.9 temos “E farei em ti o que nunca fiz, e o que jamais farei, por causa de todas as tuas abominações.”

Se comparamos este texto com Mateus 24.21 onde Jesus diz “Porque haverá então grande aflição, como nunca houve desde o princípio do mundo até agora, nem tampouco há de haver”...

Se compararmos a destruição profetizada por Ezequiel com os fatos relatados por Josefo no ano 70... bem, não precisamos especular, vejamos...

“Portanto assim diz o Senhor Deus: ... não andastes nos meus estatutos... Por isso assim diz o Senhor Deus: Eis que Eu, sim Eu, estou contra ti; e executarei juízos no meio de ti aos olhos das nações... Portanto os pais comerão a seus filhos no meio de ti, e os filhos comerão a seus pais; e executarei em ti juízos, e tudo o que restar de ti, espalharei a todos os ventos. Portanto, como Eu vivo, diz o Senhor Deus,... uma terça parte de ti morrerá de peste, e se consumirá de fome no meio de ti; e outra terça parte cairá à espada em redor de ti; e a outra parte espalharei a todos os ventos... Assim se cumprirá a minha ira, e satisfarei neles o meu furor, e me consolarei; e saberão que eu, o Senhor, tenho falado...” Ezequiel 5.7-13

Mesmo que as profecias não falem do mesmo fato, (eu estou me arriscando a dizer que falam) elas servem de paralelo e comparação, e claramente não dá para negar que o nosso Deus é vingador.

Dura coisa é estar nas mãos de um Deus irado!

Jesus está ensinando que o “sol”, a “lua”, as “estrelas”, as “forças do céu” referindo-se a Israel enquanto nação se “escureceria”, Israel não daria mais a sua “luz”, Israel e suas tribos (estrelas) “cairiam”, e seriam levados cativos (os sobreviventes) para todas as nações.

Para entender que não está a falar o Senhor literalmente do sol, nem da lua, nem está falando literalmente de comoção dos ventos, e dos mares, mas sim dos poderes e governos da nação de Israel e das nações aliadas aos romanos, basta ler e considerar estas figuras proféticas não literais em outros textos bíblicos que igualmente sempre estão a falar de Israel ou de governos ou de grandes comoções sociais:

Falando de Israel:
“E teve José outro sonho, e o contou a seus irmãos, e disse: Eis que tive ainda outro sonho; e eis que o sol, e a lua, e onze estrelas se inclinavam a mim.” Gênesis 37.9

Falando da invasão da Babilônia pelos medo-persas em 538 antes de Cristo (a parte em parênteses é destaque meu):
“Eis que vem o dia do Senhor (contra a Babilônia, também em vingança), horrendo, com furor e ira ardente para pôr a terra em assolação, e dela destruir os pecadores. Porque as estrelas dos céus e as suas constelações não darão a sua luz; o sol se escurecerá ao nascer, e a lua não resplandecerá com a sua luz... Eis que eu despertarei contra eles os medos, que não farão caso da prata, nem tampouco desejarão ouro...” Isaías 13.9...-17

Não preciso dizer que quando os medos e os persas conquistaram a Babilônia, o sol continuou igual, a lua também e as estrelas idem.

Jesus está usando de uma figura profética que indica queda de um povo, comoção política intensa e grande destruição, para nos ensinar que isto igualmente ocorreria com a queda da nação de Israel ainda nos dias dos discípulos que o ouviam.

Falando também sobre uma destruição semelhante sobre o Egito em 567 antes de Cristo:
“Filho do homem, levanta uma lamentação sobre Faraó, rei do Egito... E, apagando-te eu, cobrirei os céus, e enegrecerei as suas estrelas; ao sol encobrirei com uma nuvem, e a lua não fará resplandecer a sua luz. Todas as brilhantes luzes do céu enegrecerei sobre ti, e trarei trevas sobre a tua terra, diz o Senhor Deus... A espada do rei de Babilônia virá sobre ti... Quando Eu tornar a terra do Egito em desolação, e ela for despojada da sua plenitude... então saberão que eu sou o Senhor.” Ezequiel 32.2...7-8...11...15.

Figuras proféticas, pois também não preciso dizer que o sol, a lua e as estrelas continuaram iguaizinhas durante a invasão do Egito pelos Babilônicos.

Os discípulos, que ouviam Jesus, conheciam algumas destas figuras proféticas, certamente aquela que equivalia Israel ao Sol, Lua e estrelas do sonho de José eles sabiam decorado.

Os discípulos não estavam a imaginar catástrofes climáticas 2000 anos depois, mas sim de que a nação de Israel ruiria ainda na sua geração, com muita intensidade, medo, terror e perplexidade e de que afinal não ficaria pedra sobre pedra, uma vez que Jesus usava as mesmas figuras proféticas de José, de Ezequiel, de Isaías e de outros que não citei.

Mas citando Lucas 21, nos versículos 25 e 26, é possível também ser um pouco literal pois Josefo relata que havia um sinal em forma de espada sobre Jerusalém durante todo o cerco, o apóstolo Paulo mesmo foi vítima de uma grande tempestade no mar que relata em Atos 27 onde eles ficaram sem ver o sol e as estrelas por muitos dias, historiadores romanos falam de furações e muita pestilência, o cometa Halley passou no ano 66, Josefo fala que além da estrela que ficava sobre a cidade, um cometa ficou visível no céu por um ano inteiro...

Mas eu prefiro pensar nas figuras proféticas bíblicas, pois de fato, depois da tribulação que sobreveio sobre Jerusalém, o povo que sobreviveu foi espalhado pelo mundo romano como escravo, Israel deixou de ter seu brilho enquanto povo e nação política, o Templo foi destruído, e de fato Jerusalém tem sido pisada pelos gentios desde então, e leia-se que no local do Templo existe hoje uma mesquita islâmica.

Na próxima dose, não tenho como fugir, falarei da vinda do Senhor com poder em grande glória nas nuvens...

Até lá! Se Deus quiser.

Mas lembre-se, não queira que um dia Deus seja vingador em você.

Aproxime-se hoje Dele com fé.
Hoje é tempo aceitável para crer no seu chamado, pois Ele chama amorosamente para fazer parte do Reino, todos aqueles que desejam ser libertos da escravidão do pecado.

Ao homem não é permitido a vingança, o homem deve amar até mesmo seus inimigos:
“Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo, e odiarás o teu inimigo. Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso pai que está nos céus.” Mateus 5.43-44

A vingança é ação de iniciativa exclusiva de Deus:
“Não está isto guardado comigo? Selado nos meus tesouros? MINHA é a vingança e a recompensa...”. Deuteronômio 32.34-35